origem

sábado, 31 de março de 2012

O fracasso de Vieira - 3


A rubrica de hoje de "O fracasso de Vieira", foca-se na constante destruição e construção de plantéis. Não tendo esta forma de trabalhar começado nos mandatos de Vieira, é inegável que este não conseguiu trazer outra filosofia ao modo do Benfica atacar o mercado de jogadores.

O tempo de Luís Filipe Vieira à frente do Benfica já vai longo. São 2 anos de Director Desportivo do Futebol (2001-2003) mais 8 (9) anos de presidente (2003-2012). Ao longo deste tempo, foram muitas as dificuldades que teve de superar, mas não tantas como as que nunca se cansou de repetir. Foram ainda mais (muitos mais) os erros que se cometeram, alguns dos quais com graves repercussões nos destinos do clube.

Em terceiro lugar: O Entreposto de jogadores

Contando com os anos em que foi Director Desportivo do Clube (2001-2003), entraram no Benfica mais de 150 jogadores. Vou repetir: 150 jogadores!!! Não é brincadeira nenhuma e o custo é elevadíssimo, não só para os cofres do clube como para o nível da própria equipa. No consulado de Vieira, apenas um treinador não teve remodelações extremas na equipa. Foi José António Camacho em 2003, tendo o Benfica contratado "apenas" 5 jogadores. Nos outros anos (este incluido), é sempre de 10 para cima. Qual a justificação para se contratarem um mínimo de 10 jogadores por ano? Eu não consigo compreender a razão principal por detrás disto.

  • Posso tentar argumentar que é por possibilitar tempo de ambientação aos jogadores para serem futuramente integrados no plantel. Na prática, andam de empréstimo em empréstimo até saírem por verba irrisória ou a custo zero.
  • Posso tentar argumentar que são na maioria, jovens promissores que temos de ir buscar antecipadamente senão não os poderemos ter (o caso mais flagrante é o de Rodrigo). Na realidade para termos um Rodrigo, temos de ter em média uns 5 Fernandéz. 
  • Posso tentar argumentar que os que temos não servem e tem de se melhorar certas posições. Na realidade, seja por falta de qualidade ou por serem tão bons que saem por verbas astronómicas, a verdade é que nunca o Benfica colmata todas as deficiências dos seus plantéis, esbanjando dinheiro em jogadores para emprestar.
  • Posso tentar argumentar que cada treinador tem os seus preferidos e que a constante mudança de técnico ajuda a este re-organizar do plantel. Na realidade temos Jorge Jesus há já três temporadas e desde que este entrou contrataram-se pelo menos 45 jogadores. Dá 15 por ano...

Para terem uma ideia do que escrevo, vejam em baixo uma lista de contratações desde que Vieira entrou no Benfica (época 2001-2002)

2001/2002 - (20) - Quim Berto, Argel, Cabral, Júlio César, Marco Caneira, Emanuele Pesaresi, João Manuel Pinto, Armando Sá, Andersson, Zlatko Zahovic, Ednilson, Fernando Aguiar, Andrade, Tiago, Mantorras, Ljubinko Drulovic, Simão Sabrosa, Tomo Sokota, Hugo Porfírio, Jankauskas
2002/2003 - (11) - Cristiano, Éder, Hélder, Ricardo Rocha, Eduardo Simões, Peixe, Petit, Geovanni, Carlitos, Nuno Gomes, Miki Fehér
2003/2004 - (5)  - Zach Thornton, Luisão, Fyssas, Fernando Aguiar, Alex
2004/2005 - (16) - Quim, Yannick, Amoreirinha, Alcides, Manuel dos Santos, André Luís, Paulo Almeida, Petit, Nuno Assis, Everson, Carlitos, Azar Karadas, Andrija Delibašic, Ze Rui, Manú, Rodolfo Lima
2005/2006 - (15) - Marcelo Moretto, Anderson, Léo, Nélson, Giorgos Karagounis, Beto, Andrei Karyaka, Marco Ferreira, Laurent Robert, Marcel, Gustavo Manduca, Fabrizio Miccoli, Jose Fonte, Inzaghi, Artur Futre
2006/2007 - (10) - Miguelito, David Luiz, Katsouranis, Rui Costa, Kaz Patafta, Diego Souza, Nicolas Canales, Paulo Jorge, Kikin Fonseca, Derlei
2007/2008 - (19) - Butt, Halliche, Luis Filipe, Edcarlos, Stretenovic, Zoro, Sepsi, Wagner Silva, Maxi Pereira, Andres Diaz, Fabio Coentrão, Bynia, C. Rodriguez, Cardozo, Bergessio, Di Maria, Adu, Makukula, Jailson
2008/2009 - (12) - Jorge Ribeiro, Sidnei, Aimar, Balboa, Filipe Bastos, Amorim, Carlos Martins, Yebda, Reyes, Urreta, Suazo, Ivan Santos
2009/2010 - (14) - Julio Cesar, Patric, Shaffer, Peixoto, Airton, Javi Garcia, Ramires, Filipe Menezes, Keirrison, Weldon, Saviola, Kardec, Eder Luis, Leandro Silva
2010/2011 - (12) - Roberto, Oblak, Fabio Faria, Carole, Jardel, Salvio, Gaitan, Fernandez, Jara, Elvis, Rodrigo, Alipio
2011/2012 - (19) - Artur, Mika, Eduardo, Emerson, Wass, Garay, Andre Almeida, Capdevila, Bruno César, Nolito, Nuno Coelho, Matic, Witsel, Enzo Perez, Rodrigo Mora, Melgarejo, Leo Kanu, Rafael Copetti, Yannick Djaló

Acho até que faltam aqui alguns nomes, que por serem tão desconhecidos e nunca terem sequer treinado no Benfica, escaparam... No total apontei 153 jogadores contratados. É demasiado por qualquer ponto de vista que se tenha.

Contratações de "Vieira"

Acho que é para todos óbvio o impacto que isto tem. Não só em termos financeiros, com os consequentes custos de compra, salários, rescisões, etc, como também em termos desportivos, tendo a grande maioria destes jogadores saído ao fim de um ano ou menos. Muitos deles nem 20 jogos fizeram ao serviço do Benfica. Contratações como as de Porfirio, Eduardo Simões, Peixe, Zach Thornton, Ze Rui, Amoreirinha, André Luiz, Everson, Delibašic, Rodolfo Lima, Marco Ferreira, Robert, Patafta, Canales, Patric, Jorge Ribeiro, Jailson, Fábio Faria, Elvis ou Fernandez eram à partida operações falhadas que em nada vinham melhorar a respeito de plantel principal. Não as posso categorizar como flops, pois para isso teria de ter expectativas em relação e eles. Outra contratações, como as de Leo Kanu, Alipio, Mika, Oblak, Rodrigo Mora, Andres Diaz, Sepsi, Marcel ou Yannick, são numa perspectiva de não sei bem o quê. Reforçar o plantel principal não foi de certeza. 
Em todas estas contratações que referi (e noutras), existe um problema fundamental: a completa falta de prioritização em relação ao plantel principal e à resolução das suas lacunas e falhas. Dando dois exemplos claros:
  1. Quando Ramires saiu do Benfica, ficou uma lacuna grave no plantel. Em vez de se garantir a contratação de um médio de caracteristicas semalhantes, porque mantendo-se o treinador, o esquema de jogo não iria sofrer alterações, optou-se por esbanjar dinheiro em contratações de avançados. A meio do ano, e vendo que a equipa estava orfã de um jogador no miolo (também pelas constantes lesões de Amorim), entendeu-se não solucionar este problema, e contrataram-se um defesa esquerdo, um central (para suprir a saida de David Luiz) e um extremo esquerdo.
  2. Desde o tempo de van Hooijdonk, que o Benfica precisava urgentemente de um homem de área. Um matador que fizesse golos. Alguém que independentemente do estilo, metesse a redondinha no fundo das redes. Andámos desde 2001/2002 orfãos de um jogador destes. Apenas o contratámos em 2007/2008. Foi a segunda contratação mais cara do clube (atrás de Simão Sabrosa) mas os resultados estão aí. Cardozo é hoje a ponta da lança apontada à baliza adversária. É já o melhor marcador estrangeiro do clube e vai golo após golo cimentando a sua posição entre os maiores de sempre. Para terem uma ideia ficam aqui os nomes dos avançados contratados (nunca por mais de 5M€) até chegar Óscar Cardozo. Mantorras, Sokota, Jankauskas, Nuno Gomes, Fehér, Karadas, Delibašic, Marcel, Miccoli, Kikin Fonseca, Derlei. Convém referir que o melhor da lista, inegavelmente Miccoli, nunca foi jogador do Benfica, tendo sido emprestado dois anos consecutivos pela Juventus de Itália. 

A solução para mim é óbvia. Deixar de contratar por contratar, mas focar-se em suprir lacunas do plantel principal, ou melhoramentos no que existe, antes de se virar para oportunidades de negócio (e apenas se houver disponibilidade financeira grande para tal). 
No ínicio de cada época seria feita a avaliação do plantel, sendo naturalmente encontradas as posições onde fomos mais fracos durante a época anterior. Este processo nunca poderia ser exclusivamente do treinador, mas deveria também envolver o nosso departamento de prospecção (com um grupo de olheiros disponível para visualizar todos os nosso jogos da época - acho que umas duas semanas bastariam para isto) e o Director Desportivo.
A partir daqui, e de acordo com a capacidade financeira da altura, seria o validar das opções disponiveis (através de visionamento ao longo da época anterior ou de relatórios compilados anteriormente) e as necessidades mais prementes. As posições onde tivessem sido identificados os maiores problemas e maior urgência de solução, seriam as primeiras a ser colmatadas. Depois viriam as restantes posições e só após estas, viriam as contratações de futuro. E seguindo um pormenor importante, nunca desprezar o valor da formação.
Tendo um plantel cerca de 25 jogadores, sou da opinião que pelos menos 5 dessas vagas deveriam ser ocupadas por jogadores da formação. Fazem o mesmo trabalho, não há encargos com contratação e têm em média salários mais baixos. Mesmo que estes tivessem sido emprestados anteriormente. Para jogos de menor rotação competitiva, tais como as primeiras eliminatórias da Taça de Portugal ou na Taça da Liga, estes jogadores seriam soluções mais que perfeitas. 
Nas restantes 20 vagas, seria de extremo valor que pelo menos 10 jogadores tivessem 3 ou mais anos de Benfica. Para passar aos que entrassem, a camaradagem e mistica encarnada que não se aprende ao fim de um ou dois anos. Estes seriam o núcleo duro do plantel e parece-me a mim que transmitiriam uma mensagem importante aos outros, servindo como aglutinadores do balneário.

Em traços gerais, o término do entreposto de jogadores, traria imensos beneficios ao Benfica. Menos massa salarial e encargos financeiros com contratações, libertando dinheiro para abate de passivo. Menos jogadores completamente alienados do clube, que por vezes nunca chegaram a vestir a nossa camisola. Mais focagem nos problemas internos do plantel, sendo que embora nunca se consiga acabar com os flops, estes seriam em muito menor quantidade. Aumento gradual da qualidade intrinseca do plantel e da sua capacidade de fazer face à adversidade interna (nomeadamente do campeonato português). A chamada experiência competitiva.

Para finalizar, queria só deixar aqui uma frase de José António Camacha que no fundo simboliza o que preconizo. A mesma foi dita muita vezes por ele enquanto treinador do Benfica.
Para se contratar é preciso que os que vêm sejam melhores que os que cá estão.

2 comentários:

  1. Consider!o este post muito interessante e útil para quem ainda tenha dúvidas da Gestão de LFV.Ele nunca tem culpas de nada.Num clube mais a NORTE quem assume é sempre o GESTOR-MOR.NO nosso clube ou é do R.Costa , do J.Veiga ...agora é do Emerson e do JJ.Os benfiquistas tem de se assumirem.10 anos é muito tempo....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro SEXTANTE, muito obrigado pelas palavras.
      Relativamente à assumpção de culpas/louros pelas derrotas/vitórias é de facto como diz. Mas também deve compreender que apenas duas pessoas podem falar no Porto: o presidente e o treinador. Já no Benfica há muitas vozes que nem sempre estão sincronizadas.
      Relativamente ao artigo em, é parte integrante de um estudo que tenho feito nos últimos dois anos para tentar perceber as razões do nosso insucesso sob a governação de Vieira. Tive de as dividir em 10 partes pois cada uma é demasiado extensa para ser agrupada com as outras.
      Finalmente, aconselho-o a visitar alguns dos blogues ali do lado esquerdo. Encontrará decerto mais informações que o podem elucidar ainda mais.

      Eliminar

Não serão admitidas faltas de respeito ou insultos nos comentários. Seja aos autores dos artigos, seja entre comentadores.
Pense bem antes de escrever.