origem

quarta-feira, 28 de março de 2012

O fracasso de Vieira - 4

A rubrica de hoje de "O fracasso de Vieira", foca-se nos apoios indevidos na Liga Portuguesa de Futebol Profissional. E foram muitos, desde presidentes da Liga a membros do Conselho de Disciplina ou Arbitragem.

O tempo de Luís Filipe Vieira à frente do Benfica já vai longo. São 2 anos de Director Desportivo do Futebol (2001-2003) mais 8 (9) anos de presidente (2003-2012). Ao longo deste tempo, foram muitas as dificuldades que teve de superar, mas não tantas como as que nunca se cansou de repetir. Foram ainda mais (muitos mais) os erros que se cometeram, alguns dos quais com graves repercussões nos destinos do clube.

Em quarto lugar: Apoios indevidos na Liga Portuguesa de Futebol Profissional 

O caso mais paradigmático aconteceu em Maio de 2010, com o surpreendente apoio público de Luis Filipe Vieira a Fernando Gomes. O ex-Vice Presidente da S.A.D. portista "saiu em conflito" com Pinto da Costa cerca de 3 meses antes, numa clarissima estratégia de não ser conotado com o Porto aquando da sua candidatura à presidência da Liga, mas essa estratégia foi suficiente, para Luis Filipe Vieira cair no engodo de apoiar tal sumidade "facturadora" e meter-se a jeito do que se viria a passar depois.
Mas não foi só Fernando Gomes que mereceu o apoio do nosso presidente. Também Valentim Loureiro recolheu sempre o apoio de Vieira. Mesmo vendo-se envolvido até ao pescoço em trapaça, corrupção, coacção, tráfico de influências, etc, nunca deixou de ter o apoio "encarnado", muitas vezes manifestado nas piores alturas.
É, para mim, um caso patológico, este constante apoio a corruptos e individuos de qualidade moral duvidosa, para cargos de poder decisório no futebol Português. Porque não só os chefes de fila são pessoas nada confiáveis, mas os "sombras" que pululam as esferas inferiores, são ainda piores. E mesmo sabendo disto, o Benfica, na voz do seu presidente, põe-se sempre a jeito de ser pisado, humilhado e roubado por parte de quem sempre apoiámos.
O facto de nos afastarmos do Sporting, precisamente quando Dias da Cunha meteu os "nomes nos bois", é sintomático disto. Numa altura, em que Benfica e Sporting podiam (e deviam) ter lutado juntos pela total transparência e regeneração do futebol português, Vieira simplesmente abandonou Dias da Cunha à sua sorte. Não foi à Benfica. Aliás em matéria de apoios institucionais, Vieira nunca foi (e arrisco a dizer que nunca será) à Benfica. Parece até que tem algo a proteger, que não pode por em risco com uma afronta muito directa aos poderes vigentes.
Curiosamente, Herminio Loureiro, que não foi apoiado por Vieira (até ameaçou não participar na então recém criada Taça da Liga), foi o que mais fez pela credibilização do futebol, com algumas decisões que mudaram por momentos o panorama do futebol português. Com erros é certo, mas no caminho de mudar esta fossa séptica a que chamamos futebol português. Por momentos, pensou-se que o caminho para a regeneração estava aberto, mas foi sol de pouca dura.

O impacto destes sucessivos apoios é demasiado alto, para alguém ficar indiferente. Nas alturas de decisão há sempre aquele factor extra que nos empurra para baixo, seja em termos de arbitragens corruptas, seja em termos de decisões polémicas contra nós, castigos cirúrgicos, etc. Qual o benfiquista que não se lembra de jogos como muitos no Dragão, em que a nossa equipa é simplesmente impedida de jogar? Este ano valeu-nos o boato do observador da UEFA, pois senão era mais do mesmo. Qual o benfiquista que não se lembra dos castigos ridiculos aos nossos jogadores, enquanto os Jorges Costa e Brunos Alves desta vida se passeiam impunemente em campo, distribuindo porrada em tudo o que mexe? Qual dos benfiquistas não se lembra dos castigos recorrentes por comportamento incorrecto dos nossos adeptos, quando do outro lado há cargas policiais, bolas de golfe ou mesmo galinhas? Ou dos casos recorrentes em matéria de árbitros irem para a "Jarra" depois de apitarem jogos do Benfica? Relembro que tudo isto, acontece com o nosso silêncio e apoio cúmplice.

A solução para este problema crónico é a simples renúncia a apoiar corruptos para cargos de poder. O Benfica não pode ser cúmplice com isto. Apoios a gente que está mais que provado factualmente, que não gosta de nós e que só nos quer ver em baixo, que não descansará enquanto não nos vir a definhar, que tudo fará por isso, simplesmente não podem acontecer. O Benfica sempre foi um clube de respeito e integridade, mas que sempre se deu ao respeito. Os seus presidentes sempre se pautaram por um intrasigente amor ao clube e por uma conduta moral acima dos outros. Nunca se arrogaram de perfeitos, e com as suas falhas inerentes, souberam lutar com honra e dignidade contra as injustiças.

Quais os beneficios desta solução? Simples. O Benfica pode virar a mesa e atacar quem deve ser atacado. Não dar tréguas, a quem nesta altura se passeia alegremente nos meandros do futebol, sem ninguém a questionar minimamente os passos e acções tomadas. Sem medo de ser conotado com cumplicidade pode ser a oposição clara a este tipo de coisas, que foi sempre o seu maior trunfo em Portugal e causa do seu massivo apoio popular. O maior problema destes corruptos é a possibilidade de se fazer luz sobre os crimes cometidos. O Benfica é forte, todos o sabem. Se soubermos usar essa força como forma de oposição, então tornaremos as coisas muito mais dificeis para quem quer subverter as regras do jogo. E dificultando-lhes o trabalho, facilitaremos a nossa própria tarefa, pois as dificuldades externas não se farão sentir com tanta intensidade.


Índice:
Em décimo lugar: Mistura de Amizades pessoais com a Defesa do clube
Em nono lugar: Delapidação dos Valores do Clube
Em oitavo lugar: Introdução de Corpos estranhos ao Clube
Em sétimo lugar: O Sebastianismo
Em sexto lugar: O Descontrolo Financeiro
Em quinto lugar: A Instabilidade Governativa

1 comentário:

  1. Será que só eu percebi em 2000, que o Benfica estava a ser assaltado - democráticamente - pela Olivedesportos e pelo BES? Que a promessa de contratação do Jardel por 35 milhões de euros (cláusula de rescisão na moeda actual) era a prova que o Benfica não estava assim tão mal financeiramente? Que se Vale e Azevedo quisesse ficar dono de tudo, tinha feito uma alteração aos estatutos baixa e soez, embora democrática, como fez agora a "entourage" de Vieira?

    Ele bem diz que tem um projecto para o Benfica. Sim, 11 anos, 2 títulos de campeões, submissão completa por falta de credibilidade e estratégia, do presidente do Benfica perante o "sistema", e apenas acertou em Jesus ao fim de ter despachado 7 treinadores. Caso contrário continuavamos na base de 1 treinador por época, porque este tipo não sabe para mais. Ele não quer saber de futebol e um dia se saberá qual a sua verdadeira data de inscrição como sócio do clube. Porque será que não constava na lista de sócios com 25 anos de associado, ao tempo do mandato de Vale e Azevedo? O Sr.º Vieira é um infiltrado que se está a marimbar no clube e nos sentimentos dos adeptos e sofredores ...

    ResponderEliminar

Não serão admitidas faltas de respeito ou insultos nos comentários. Seja aos autores dos artigos, seja entre comentadores.
Pense bem antes de escrever.