origem

domingo, 31 de janeiro de 2016

A evolução do trabalho

Acabadinho de ver o jogo em Moreira de Cónegos apraz-me escrever o seguinte:

1. Começando pelo negativo, este jogo podia ter sido muito mais difícil, caso o Gaitan tivesse sido expulso (como devia). Mesmo não acertando no jogador do Moreirense a atitude de resposta nunca pode ser aquela.
Embora eu não concorde de todo com a lei nestes casos (em respostas desta natureza precipitadas pelo anti-jogo de adversários), a mesma é bem explicita que tentativas de agressão têm de ser punidas com cartão vermelho directo.

2. A qualidade colectiva deste Benfica já está em níveis bem apreciáveis. Os jogadores já interiorizaram, que quando todos estão com um objectivo comum, as suas qualidades individuais vêm ao de cima. Para mim, além do treinador, o maior obreiro desta subida de rendimento colectivo chama-se Pizzi. Tem feito "jogos de champions em campos de distrital".

3. Com a subida de rendimento colectivo bem notória, o nosso ataque tem sido formidável na forma como tem conseguido desarmar todas as defesas que têm aparecido no seu caminho (sem contar com os dois primeiros jogos da Taça da Liga). Há uma fome de golos nesta equipa que já não via desde a primeira época de Jesus no Benfica. Jonas é simplesmente um génio da bola. Já não há subjectivos para o qualificar devidamente.

4. Rui Vitória segue o seu caminho, que a continuar desta forma vai ser vitorioso. Com calma, ponderação e qualidade, muita qualidade. O seu discurso de final de jogo esta noite é uma das coisas que mais prazer me dão em relação ao passado recente do Benfica. Em vez do "Eu fiz", "Eu pensei", temos agora o "Nós trabalhámos", "Eles (jogadores) são os responsáveis por isto", "Estamos bem porque continuamos a trabalhar em conjunto, não é só uma ou duas pessoas". E isso é à Benfica!

Continuar a trabalhar desta forma vai-nos levar à glória.
1904!