origem

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Gestão Danosa II - Ou talvez não

Quando, no passado dia 31 de Agosto, tomei conhecimento dos contornos do negócio Javi Garcia, e da sua mudança para o Manchester City, também eu me indignei. Também eu me insurgi, não contra o negócio em si, mas sim contra os contornos do mesmo. E tal como todos os que o fizeram, também eu estava errado.
No artigo "Gestão Danosa" (aqui), critiquei o facto do Benfica não conseguir fazer com que o City, clube mais endinheirado de Inglaterra, pagasse os 30M€ de clausula de rescisão, que constava no contrato com o Javi.

Só que, após ler um artigo na blogosfera encarnada (peço imensas desculpas aos leitores mas já não sei precisar onde foi) tive de ir verificar o que diz o Regulamento de Gestão do fundo "Benfica Stars Fund". E tenho de reconhecer que estava equivocado. O negócio feito foi o possível, face às condicionantes presentes no momento e aos acordos previamente estabelecidos
.
Vamos aos factos, que suportam esta minha inversão de opinião a 180º.
  1. Em Julho de 2009, o Benfica compra Javi Garcia ao Real Madrid por 7M€.
  2. Aquando da constituição do fundo "Benfica Stars Fund" (aprovado pela CMVM a 24 de Setembro de 2009), Javi é um dos jogadores com parte do passe alienado, pelo valor de 3,4M€ por 20% do passe. Fazendo uma regra de três simples, temos que a avaliação de Javi na altura foi de 17M€.
  3. Nos pontos 8 e 9 do Artigo 8.º do Capitulo II do referido Regulamento de Gestão, está expressamente indicado que o Benfica é obrigado a vender sempre que uma proposta recebida seja igual ou superior ao valor de referência (que é acordada entre Benfica e Fundo e será em teoria superior ao valor de avaliação) ou em alternativa, re-adquirir a percentagem do fundo, pelo valor que seria recebido por este caso a proposta fosse aceite. Trancrevo a totalidade do ponto 8 e parte do ponto 9 em baixo.
8. Sempre que o Fundo adquira direitos económicos relativamente a um determinado atleta, será fixada uma tabela de referência pela Entidade Gestora e pela Benfica SAD da qual constarão os valores que servirão de referência para propostas futuras que sejam recebidas pela Benfica SAD para a aquisição dos direitos relativamente àquele atleta. Os valores constantes da tabela de referência serão iguais ou inferiores aos valores das cláusulas de rescisão que a Benfica SAD tenha acordado com cada um dos seus atletas, e apenas se essas cláusulas tiverem sido estabelecidas. Caso alguma proposta para aquisição dos direitos desportivos relativos a determinado jogador venha a ser concretizada em montante que iguale ou ultrapasse o valor de referência respectivo, constante da referida tabela, a Benfica SAD fica obrigada a vender os direitos desportivos que detenha inerentes a esse mesmo atleta.
9. Quando tenha sido recebida uma proposta relativa a um determinado jogador nos termos da parte final do número anterior, a Benfica SAD pode sempre adquirir ao Fundo os direitos económicos que detenha relativos a esse mesmo atleta, pelo valor que seria devido ao Fundo caso a proposta fosse aceite pela Benfica SAD. ...
Ou seja, Se o City tivesse oferecido 17M€ (e fosse esse o valor de referência), o Benfica era obrigado a vender ou a comprar os 20% do passe de Javi por 3,4M€. No caso da proposta que acabou por ser aceite, o Benfica teria de pagar sensivelmente 4,6M€ ao fundo, caso não quisesse vender. Com a noticiada pressão de Javi em sair nesta altura, penso ser claro que pouco poderiamos fazer para o segurar. Pagar 4,6M€ e o respectivo aumento de salário para manter um Javi algo contrariado (inevitavelmente, pese embora todo o seu amor pelo clube) teria sido uma medida de gestão pior do que aquela que se tomou.

É o problema do fundo. Na altura de comprar é bom termos um parceiro que suporte parte dos custos. Na altura de vender perdemos alguma margem negocial.

Esta reflexão que eu fiz, levanta-me no entanto uma outra questão. Porque razão não foi isto explicado a tempo e horas aos sócios? Uma declaração do presidente, a referir este facto seria mais que suficiente para que a histeria de dia 1 tivesse sido estancada.

Eu, pela minha parte, faço o mea culpa e admito que foi mesmo o negócio possível.


17 comentários:

  1. Caro Danilo

    Concordo com o seu ultimo paragrafo, mas... a tal histeria de alguns já não pode ser estancada de forma alguma. A ânsia de dizer mal de LFV é tanta, que ultrapassa a cegueira atribuída aos apoiantes do mesmo diariamente. Mais, mais vale fazer um texto qualquer sem conhecimentos de causa ou baseados em jornais e cronicas de mal dizer da oposição (onde anda ela? sem rosto...)e depois fazer respostas aos próprios textos com perolas hipócritas como esta: "O único propósito do blog ... é esclarecer todos os benfiquistas sobre assuntos relacionados com o clube. É certo que por vezes poderemos discordar em várias matérias, mas em altura alguma queremos contribuir para que mentiras e calúnias sejam tidas como verdades."

    Ainda bem que há pessoas como você Caro Danilo, um bem haja e cá continuarei a fazer a visita diária, porque gosto do que vejo e do que leio por aqui.

    PS- Quando é necessário dar-lhes (direcção) na cabeça baseado em verdades, assim seja... sem apelo nem agravo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Anti anti-Benfica

      A maior parte dos "abutres" com quem falo e comunico, não o faz por ódio ao presidente. Esta questão, se tivesse sido devidamente esclarecida e posta preto no branco, não tinha tomado as proporções que tomou. Claro que haverá sempre quem estaja cego (de amor ou ódio), mas penso que a maior parte dos benfiquistas não tem a informação de que precisa. Fazem-se muitos julgamentos sem informação (e contra mim falo também) que posteriormente são revistos e contrariados. Tudo seria mais simples se a informação fosse prestada atempadamente. Ter um vice-presidente num programa de debate e não o aproveitar para difundir estas informações é mau. Muito mau.

      Eliminar
    2. Quanto ao vice também acho o mesmo, por vezes penso até que não deveria estar lá nenhum! Quando chegam à frente de uma tv qualquer viram mansos...

      Eliminar
    3. Mas agora é o Benfica que tem de informar os sócios das leis e das regras do mercado? Desculpem lá, mas é preciso ter lata!
      Quem comenta e posta é que tem de estar bem informado antes de injuriar e atentar contra o bom nome dos trabalhadores e dos dirigentes do clube que dizem defender. Depois é muito fácil pedir desculpa, mas a injúria e o atentado ao bom nome já foram feitos e não podes ser desfeitos. Haja vergonha!



      Eliminar
    4. Caro Manuel,

      Eu errei e assumo o erro. Não sou perfeito e tenho as minhas limitações, pelo que só me resta pedir desculpas quando erro.

      Quanto ao seu comentário. Onde é que já se viu, o Benfica informar devidamente os sócios dos contornos dos negócios que são feitos... Realmente isso não é preciso para nada. O que precisamos é confiança cega em quem lá está. E não se tratam de leis e regras de mercado. Trata-se de um negócio efectuado pelo Benfica, que diz respeito a cada um dos associados!

      A verdade vem sempre à tona, pelo que a incorrecção ou injustiça seria rapidamente corrigida (como o foi).

      Eliminar
    5. Como te compreendo amigo Manuel, mas dai até fazer o mesmo! Vontade por vezes não me falta! Mas assim como gosto que aceitem as minhas opiniões, por vezes (muitas) exageradas, também dou o beneficio ao bom senso... é o que falta para ganhar novamente por mais de 90%! O resto são fantasma da opera SEM ROSTO!! Como diz o/a outro/a, votem nos BRANCOS porque os pretos são difíceis de... Bcúulll!!

      Eliminar
  2. Então questionemos o seguinte:
    Como é que no último dia do mercado, o SLB fica sem um dos elementos mais importantes e sem substituto? Estará Matic preparado? Quem é o suplente de Matic (e Witsel)? É a aposta declarada na formação? Se tudo falhar, será JJ despedido, pois afirmou que não precisava de ninguém?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro John,

      Muito boas questões, que temos o dever de fazer a quem dirige. A nossa politica desportiva é uma autêntica miséria, sem rumo ou fio condutor. Neste caso, pelas palavras de presidente e treinador, penso que a aposta vai ser forçosamente na prata da casa. Como aliás devia ser feito já desde há algum tempo.

      O propósito do artigo é no entanto, esclarecer devidamente porque mudei de opinião e porque considero agora que a venda de Javi Garcia teve ser ser feita nos moldes em que foi.

      Eliminar
  3. É o teu ponto de vista. Para mim o melhor negócio possível seria comprar essa percentagem do passe de novo, até porque tínhamos obviamente dinheiro e margem para o fazer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro jocivalter,

      Uma opinião válida também. No entanto discordo dela, pois a partir do momento em que o City acena com 5M€/ano, pouco poderiamos fazer para manter o jogador com a cabeça no clube. Entre gastar cerca de 4,5M€ mais um hipotético aumento de saláro e receber 20M€ mais clausulas, acho que se optou bem.
      Quanto ao termos dinheiro e margem para o fazer, não acredito nisso, pois já tinhamos gasto cerca de 20M€ (com entrada de dinheiro da ordem dos 8M€) e ainda precisavamos de fazer um encaixe significativo (na ordem dos 30M€) para suportar as despesas de financiamento e tesouraria.
      Desportivamente a saída é péssima. Mas penso que seja um mal necessário nesta altura.

      Esperemos que o dinheiro não seja esbanjado!

      Eliminar
  4. Claro que tinhamos dinheiro, pois acabamos por gastar esse valor num jogador quase redundante.
    Eu continuo com a minha opinião, que o Javi cá não ficaria propriamente contrariado.

    Desta venda, para já só vamos retirar 15M€ (mais uns pozinhos que temos no fundo = 300mil euros), e ainda vamos ter de pagar os impostos correspondentes.

    Desportivamente é terrível, mas essa opinião será unânime, penso.

    ResponderEliminar
  5. Essa questao nao e' assim tao linear. Caso fosse o M. City chegava ca e oferecia 18M€ e levava o Javi... Ou acham que eles nao sabem do Fundo?

    Eu suponho que haja uma concertacao entre o Benfica e as partes interessadas no fundo, de forma a defender os interesses de ambos. Houve sim gestao danosa, porque o Benfica gastou quase 20M€ em extremos, quando ja tinhamos varios no plantel, tem neste momento varios medios com experiencia de 1a liga emprestados (Airton, Nuno coelho e R Amorim) e tem neste momento 2 medios com capacidade defensiva no plantel.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Renato,

      Eu penso que o valor de referência acordado entre Benfica e Fundo, será superior ao valor de avaliação. A esse propósito actualizei o artigo.

      Mas sim, caso a proposta cubra o valor de referência, o Benfica é obrigado a vender.

      Eliminar
  6. Caro Danilo, é salutar ver o mea culpa que aqui faz. Mas olhando para este post há 2 questões que se levantam, relativamente ao fundo e à possível , mas não concretizada, permanência do Javi na Luz.

    A 1ª é: então sempre que um clube adversário souber do valor pelo qual o atleta foi comprado pelo Benfica, e se o mesmo estiver no dito fundo, nem precisa de se preocupar muito com o valor da cláusula, basta oferecer um valor acima daquele dispendido aquando da compra e o Benfica tem de vender, pois o tal "ponto 8" a isso obriga o Benfica?
    Então imaginemos que o Benfica compra um atleta por 10 milhões, e cede por ex. 20% do passe ao fundo e estabelece uma cláusula de rescisão de 40 milhões para o atleta. Chega cá um clube e oferece por ex. 16 milhões e o Benfica tem de vender? ou então adquirir os 20% que cedeu ao fundo ainda por cima onerados?
    Se isto estiver feito desta forma, e acredito pelo que li acima é um negócio de m...a! E, leva-me a perguntar para quê cláusulas de rescisão tão elevadas, nos casos dos jogadores que estão no fundo? Dir-se-á para impedir que os venham buscar facilmente, mas por outro lado fazem ofertas abaixo do valor da cláusula e o clube fica "amarrado" à mesma!!! Não compreendo, mas posso estar a ver mal a coisa, mas a ser verdade por isso defendo e sempre defendi uma política cirúrgica de contratações, assim o clube talvez tivesse margem de manobra financeira suficiente para evitar ter que ceder percentagens a fundos e evitar essas saídas patéticas de jogadores com as competições já a decorrer.

    ... CONTINUA

    ResponderEliminar
  7. ... CONTINUAÇÃO


    A 2ª questão prende-se com as vontades dos jogadores. Se bem me lembro o atleta em causa, há não muito tempo fartou-se de prestar declarações de amor ao Benfica, era isto, aquilo e o outro! Então e depois muda radicalmente de posição? Eu sei que 5 milhões por ano é muito dinheiro e vira a cabeça a qualquer um! Então e quanto é que o Benfica se arrisca a perder desportivamente e financeiramente este ano com a saída do Javi e do Witsel?
    Quanto nos custará uma eliminação na fase de grupos da Liga dos Campeões? Quanto custará ao clube uma menor receita de bilheteira se a o clube não conseguir encontrar na equipa jogadores que compensem de imediato estas 2 saídas e começar a perder jogos e/ou ficar afastado prematuramente das várias competições em que joga?
    Quem acautela isso? o jogador? obviamente que não e viu-se que rapidamente mudou o discurso (e atenção que gosto bastante de ambos pela sua garra e vontade que sempre demonstraram enquanto vestiram a camisola do Benfica).
    Isso leva-me sempre aos contratos. Os contratos existem ou existiam e eram para serem cumpridos! O jogador quando andava lá pelo Osasuna nem sonhava se calhar com o City, o Benfica acreditou nele e deu-lhe visibilidade, o mínimo que se exige ao atleta (a qualquer um) é que cumpra aquilo que acordou com o clube, que pelso vistos nunca lhe faltou com nada, ou seja, que jogue e compreenda que nem sempre as propostas que surgem podem ser aceites pelo clube, por muito tentadoras que sejam.
    Essa coisa de melhorar contratos só porque aparece um maluco qualquer a oferecer 5 milhões, não é política nenhuma é suicídio! Agora imagina que na tua actividade surgia um gajo qualquer a oferecer-te 1 milhão por mês, e tu empregado muito assertivo e fundamental na tua empresa chegavas ao teu patrão que sempre cumpriu contigo e dizias: ou me paga 1 milhão ou vou embora? então e o teu patrão lançava mão da estabilidade da empresa e pagava-te 1 milhão por mês!?!?
    Mas que raio de ideias estapafúrdias são essas que agora criaram? O contrato do jogador deve ser revisto pela empresa ou clube quando a mesma achar que ele merece, não porque aparece aqui alguém a oferecer mais! Então e se agora aparecerem diariamente 5 clubes a dobrarem os ordenados a todos os jogadores do Benfica, o clube é obrigado a rever os ordenados de todos?

    Este é o meu ponto de vista quanto ao assunto, e já agora e olhando aos comentários aqui feitos concordo que danoso é comprar por atacado e depois andar a pagar dezenas de ordenados a jogadores que não retiramos qualquer proveito, ou pior, pagar para eles renderem em clubes que nos fazem frentes nas competições em que estamos inseridos e nós ficarmos com os encargos.

    Abraço.
    Paulo

    ResponderEliminar
  8. Caro Paulo,

    Respondendo às questões que colocou.
    Aquilo que depreendi, depois de ler o Regulamento de Gestão do Fundo, indica que, após a avaliação feita ao atleta, pelo qual o Fundo pagará uma verba correspondente à percentagem adquirida, será igualmente acordada uma verba de referência. Esta verba será em minha opinião, sempre superior ao valor de avaliação, pois o Fundo quer obter lucro com as transferências.

    Desta forma, basta algum clube fazer uma proposta igual ou superior ao valor de referência para o Benfica ser obrigado a vender ou a re-comprar a percentagem do Fundo pelo valor da referida proposta. Em 2009 as compras que fizémos, foram viabilizadas desta forma. As clausulas de rescisão destes jogadores servem para que um atleta não saia à revelia do clube (e do Fundo). Até poderá existir uma negociação entre Benfica e Fundo para que o jogador só saia pelo valor da clausula. Foi o que aconteceu com Coentrão (no papel) que estando avaliado pelo Fundo em 15M€ (3M€ por 20%), foi vendido pelo dobro desse valor.

    Em relação às vontades dos atletas é isso mesmo que acontece. Se o clube X oferece 4-5 vezes mais que o Benfica paga no momento, é impossível competir com isso. O jogador sairá quase sempre, pois o amor à camisola há muito que abandonou o desporto profissional. O caso que apresentou, acerca do funcionário que tem quem lhe ofereça 1M€ por mês é paradigmático. O funcionário faz um ultimato e sairá se o patrão não lhe aumentar o salário. Acredito que Javi não tenha feito nenhum ultimato nesta matéria, mas devido às condicionantes do Fundo, a melhor decisão foi deixá-lo ir.

    ResponderEliminar
  9. Caro Danilo,

    eu até posso concordar e concordo, mas a verdade é que enquanto estas situações se mantiverem corremos o risco de ficar sem atletas fundamentais com as competições a decorrerem.

    Não quero dizer que se deva "bater o pé" em todas as situações mas neste caso acho que apesar dos valores recebidos, o Benfica fica bastante prejudicado, especialmente na vertente desportiva.

    E o que gostava de ver mesmo acautelados, sempre, são os interesses do Benfica.

    Paulo

    ResponderEliminar

Não serão admitidas faltas de respeito ou insultos nos comentários. Seja aos autores dos artigos, seja entre comentadores.
Pense bem antes de escrever.