origem

terça-feira, 3 de abril de 2012

A Voz do Dono ou como perderam toda a vergonha...

Após sair hoje uma noticia no pasquim do Serpa, a "informar" aquilo por que muitos adeptos azuis suspiram à muito, ou seja, a saída de Vitor Pereira do comando técnico da equipa qualquer que seja o desfecho do campeonato, o Porto emite um comunicado daqueles que vão ficar na história... Transcrevo-o em baixo para que não tenham de visitar tal espaço:
Há jornais e jornalistas para quem a verdade pouco interessa quando se sobrepõem outros interesses, designadamente o servilismo. O jornal "A Bola" desta terça-feira é o exemplo perfeito disso mesmo, com a manchete falsa e mentirosa de que o treinador Vítor Pereira deixará as suas funções no final da época, qualquer que seja o desfecho do campeonato.
O FC Porto já nem se dá ao trabalho de desmentir as mentiras diárias de "A Bola", mas mais uma vez o jornal passou os limites do tolerável. O mais básico manual de jornalismo diz-nos que qualquer notícia deve indicar a fonte, para o leitor avaliar da credibilidade da mesma. Qual é a fonte do jornal "A Bola" na pseudonotícia? Nenhuma, claro. Nem podia haver, tratando-se de uma mentira. E um jornal sério não deveria efectuar um contacto com o FC Porto, que não fez, perguntando se a notícia tinha alguma veracidade? Se fosse com outro clube, alguém acredita que a notícia fosse escrita sem o contraditório? 
Extraordinário que continue a haver jornalistas mentirosos e sem carácter dispostos a servir interesses que nada têm a ver com a verdade e o rigor. 
E para não ficarmos pelas meias palavras, a quem interessa esta notícia e quem pretende beneficiar dela? Muito simples, ao Benfica, clube que o jornal "A Bola" desde sempre protege e que, agora, em desespero, se serve do aliado de sempre para tentar desestabilizar o FC Porto na recta final do campeonato. Infelizes mentes que assim pensam, porque o FC Porto mais uma vez responderá onde mais gosta de não deixar dúvidas, no campo.
PS: Uma de borla, também é falso que o jogador Michu Pérez interesse ao FC Porto, mas mentiras dessas são diárias em "A Bola"...
Nem sei como considerar este comunicado. Quem o ler e estiver "desligado" da realidade desportiva nacional, até é levado a pensar que o Porto é um clube com valores, que defende lealmente os seus interesses e até que luta por melhorar incorreções graves. O problema é que eles não são nada disto e advogarem-se ao papel de defensores da moral e bons princípios é cómica, muito cómica mesmo.

Atentemos como começa o texto:
Há jornais e jornalistas para quem a verdade pouco interessa quando se sobrepõem outros interesses, designadamente o servilismo.
Muito bom de facto, não tivessem feito o que o video abaixo tão bem e explicitamente documenta.


Cómico não é? E não é só o facto de mostrarem indignação por algo, que também eu condeno, como é o miserável jornalismo desportivo que temos hoje em dia, que causa estranheza ou mesmo preocupação. É porque eles sabem bem do que falam. Tão bem, que até foram pioneiros nisso no nosso pequeno país. E mais à frente até reforçam a ideia, como se tal não fosse amplamente conhecido por quase todos os benfiquistas desde há muitos anos a esta parte, e eles viessem fazer este serviço inestimável ao desporto nacional.
Extraordinário que continue a haver jornalistas mentirosos e sem carácter dispostos a servir interesses que nada têm a ver com a verdade e o rigor. 
A pérola é tal que num assomo de esquizofrenia, questionam o continuar a haver jornalistas mentirosos e sem carácter, quando foram eles próprios, durante anos a fio, a impedir os bons jornalistas de exercer as suas funções, através de meio dissuasores como são a coação, perseguição, violência, ameaça, etc. Não é de facto nada genial sr. presidente. Nada genial mesmo.

Prosseguem, referindo o que seria ou não feito com outro clube, nomeadamente que a noticia não seria publicada sem se ouvir primeiro a parte interessada.
Se fosse com outro clube, alguém acredita que a notícia fosse escrita sem o contraditório? 
Acordaram agora de um longo sono só pode. Para se auto-intitularem os perseguidos pel'A Bola, e quiçá do pasquinismo em Portugal, só com grande cara de pau mesmo. Não devem ler as provocações diárias, debitadas no "seu" jornal 'O Jogo', nem as pérolas inestimáveis que saem todos os dias no outro pasquim cofineiro. Mesmo na "biblia", são muitos os casos de claro desrespeito pelo clube do povo. E não é só o Benfica, mas também o Sporting que sofre muito deste mal.

Pegando noutro breve trecho do texto, seguem "colando" o pasquim A Bola ao Benfica, facto já sabido de senso comum.
...a quem interessa esta notícia e quem pretende beneficiar dela? Muito simples, ao Benfica, clube que o jornal "A Bola" desde sempre protege e que, agora, em desespero, se serve do aliado de sempre para tentar desestabilizar o FC Porto na recta final do campeonato.
Dou de barato que o jornal A Bola (o verdadeiro, e não esta imitação rasca) se "colava" muitas vezes ao Benfica. Como poderia não o fazer, se os princípios que estiveram na fundação do jornal, eram muito semelhantes aos que estiveram na origem encarnada? No entanto esta sombra não pode ser, em consciência, conotada actualmente com o Benfica. Não só pelas mais variadas noticias que são lançadas no referido pasquim, como também pela autêntica Guerra Santa contra os vermelhos, que escribas azuis debitam diariamente no mesmo. Deram-se ao luxo de "correr" com os gatos dali para fora, pois não se pode enfrentar com a VERDADE e algum sentido de humor, os dois cães de fila portistas, que lá escrevem todas as semanas.
Acrescento ainda que os portistas devem ter sentido a mesma revolta em relação à noticia lançada na véspera do clássico deste ano em Alvalade. Nessa altura os beneficiados eram outros não?

Realmente a única coisa que posso dizer é que já não há máscara que lhes sirva.

1 comentário:

  1. É de facto incrivel a podridão que segue pelo clube corrupto. Atiram a pedra, escondem a mão e acusam o apedrejado de calúnia e injúria, e no final ainda ganham e são indemnizados! Justiça portuguesa...

    ResponderEliminar

Não serão admitidas faltas de respeito ou insultos nos comentários. Seja aos autores dos artigos, seja entre comentadores.
Pense bem antes de escrever.