origem

quarta-feira, 25 de abril de 2012

O percurso de Jorge Jesus no Benfica

Jorge Jesus chegou ao Benfica em Junho de 2009, vindo do Sporting de Braga. Durante os 2 ou 3 anos anteriores, foi sendo conotado como sucessor de Jesualdo no FC Porto. Pessoalmente nunca pensei que viesse para o Benfica e aquando da sua contratação vaticinei-lhe um futuro curto e fraco à frente do Benfica. Enganei-me redondamente. Jesus entrou no Benfica com uma sede enorme de vencer. Com um discurso optimisticamente fanfarrão a cortar completamente com os discursos pobres e pessimistas de épocas anteriores. "Prometeu" a equipa a jogar mais do dobro. E na realidade o Benfica de Jesus joga bem em 75% dos jogos. Dá espectáculo em 50% deles. É uma equipa que sufoca o adversário em grande parte do jogo. Só que contra equipas melhores as suas tácticas não resultam tão bem pois essas equipas sabem ter a bola.

Apesar de tudo o que de bom tem Jesus, o treinador da Amadora tem duas falhas graves que o impedem de dominar completamente o futebol em Portugal com o Benfica (se tivesse ingressado em 2009 no Porto, não tenho dúvidas que estaria já a treinar num dos grandes campeonatos europeus uma equipa de topo). No Benfica tem de lutar internamente com arbitragens manhosas e esquemas escuros que constantemente tentam afundar o Glorioso clube.
Mas voltando às suas duas falhas graves.
  1. Teimosia - O treinador tem claramente jogadores fetiche com os quais conta cegamente. São vários os casos na sua carreira profissional, mas apenas no Benfica essa característica veio ao de cima, por ser um clube escrutinado constantemente. Quando aposta num jogador, ele será utilizado até não poder mais. Mesmo que se encontre em má forma ou tenha um substituto em melhor condição, na grande maioria dos casos, isso não interessa para a avaliação que o treinador faz.
  2. Fanfarronice/Ego - O treinador é um autêntico pavão. Está nos seus genes, na sua personalidade e nas suas acções/declarações. Jesus julga-se realmente o mestre da táctica, o catedrático do futebol. Nunca se engana (também por causa da teimosia) e nem lhe passa pela cabeça que possa existir uma alternativa ao que ele delineou como estratégia. É na maior parte das vezes algo deprimente vê-lo vangloriar-se de feitos que acontecem por mero acaso.
Não fossem estes dois "defeitos" e Jesus seria, seguramente, um dos treinadores do top 5, ao lado de nomes como Mourinho, Guardiola ou Sir Alex Ferguson. A sua incapacidade para lidar com o sucesso e com os erros, não lho permite. 

Analisando as três épocas de Benfica com Jesus temos:

  • 2009/2010
Montou uma equipa à medida dos jogadores que tinha. Futebol arrasador em grande parte do campeonato e Liga Europa, com algumas goleadas históricas em catadupa. A equipa foi um Rolo Compressor interno. Discurso vencedor (talvez arrogante?) a não dar qualquer hipótese a CS ou adversários. As coisas saíram bem. Compreendo perfeitamente a eliminação em Anfield. Apostou-se tudo no Campeonato e caímos de cabeça erguida da Liga Europa. A vitória na Luz frente ao Eterno Rival foi muito mais importante. Soube usar os jogadores menos utilizados em alturas chave, sobressaindo Weldon como verdadeira arma secreta.
Dou-lhe uma nota de 95%.
  • 2010/2011
Começou a pré-época a despedir e contratar jogadores e a prometer o Bi-Campeonato e quiçá a Liga dos Campeões. Nos jogos de pré-época montou um esquema em 4-3-3, pois tendo perdido os dois alas do seu 4-1-3-2 para Chelsea e Real Madrid, seria praticamente impossível replicar o modelo da época anterior. Entrou na Supertaça em 4-1-3-2 com jogadores cansados o mundial. Toda a estratégia treinada na pré-época foi posta de lado para nunca mais ser vista. Adicionou uma nuance terrível ao esquema táctico, fazendo descer o médio defensivo até junto dos centrais quando em transição ofensiva posicional. Isto criou um buraco enorme no nosso meio campo, devidamente explorado pelos adversários, fazendo-nos perder o controlo daquela zona do terreno. Em algumas situações custou-nos pontos esta mudança.
As apostas continuas em Roberto, Saviola, César Peixoto (a lateral), são alguns exemplos da teimosia do técnico. Utilizou quase sempre os mesmo 13/14 jogadores a partir de certa altura, tendo o Benfica atingido o pico de forma em Fevereiro. Na altura das decisões os jogadores não aguentaram e a lesão de Sálvio foi apenas o clique que faltava para o castelo de cartas se desmoronar. Acabámos a época, como uma época em que sofremos das piores humilhações como benfiquistas. Os 10 minutos em que o Porto fez 3 golos na Luz em Abril para a meia final da Taça são o maior exemplo. Mas Jesus nunca assumiu claramente a sua quota parte de culpas. A derrota em Braga na segunda mão das meias finais da Liga Europa foi também uma grande humilhação. Não pelo resultado em si, mas pela completa falta de atitude demonstrada. Parecia que estavam a jogar um jogo de pré-época e não o acesso a uma final. E aqui o treinador é o maior culpado.
Dou-lhe uma nota de 30%.
  • 2011/2012
Começou a época com mudanças mais ou menos radicais, especialmente ao nível de GR. Artur chegou para substituir o queimado Roberto. Jesus foi obrigado a ceder.
Entraram Carraça e o professor Manuel Sérgio (supostamente para o controlar) e durante algum tempo o treinador foi aguentando o seu ego, contido à flor da pele. Mudou a sua estratégia para jogos com equipas melhores (Liga dos Campeões e top 4 da Liga) com os devidos benefícios que dai advieram. Incluindo mais um homem (Witsel) ao meio campo, deu-nos ampla liberdade de gerir o jogo com posse de bola. E com mais bola, menos chances tiveram os adversários. Foi fazendo uma boa rotação dos jogadores, especialmente nas alas onde Nolito, Gaitan e Bruno César iam rodando. O Argentino foi mesmo o mais utilizado (titular em quase todos os jogos).
A partir de Janeiro, o Benfica entrou no seu pico de forma, disparando 5 pontos do FC Porto no topo da classificação. Depois, Jesus entrou nas suas teimosias e com um empurrões da arbitragem estava o cenário montado. As entradas da equipa em Guimarães e em Coimbra, possivelmente os jogos mais importantes da época, foi deplorável. A estratégia de Guimarães foi mesmo do pior que já se viu ao treinador. Fez Rodrigo jogar os 90 minutos depois da patada de Bruno Alves e mudou a equipa quando faltavam pouco mais de 5 minutos para jogar. Claramente a culpa desta derrota foi dele em primeiro lugar.
As palavras de Jesus no pós jogo também não foram melhores. Em retrospectiva, foi aqui que o Benfica soçobrou. Era fundamental chegar ao Clássico com os tais 5 pontos de avanço.
Jesus revelou-se imune a todo o tipo de criticas e/ou considerações. Nunca admitiu os seus erros e pior que isso, insistiu no erro. Vangloriar-se do golo obtido pelo Benfica aos 92 minutos no jogo com o Braga é apenas um exemplo entre muitos.
Ainda faltam 3 jogos e 9 pontos para acabar a época, e embora seja ainda possível não é nada provável que o Porto perca os pontos necessários para que os ultrapassemos.
Mesmo que seja campeão dou-lhe uma nota de 50%.

Face a isto, o que fazer ao treinador na próxima época. Eu sou da opinião que Jesus deverá continuar por duas razões e com uma condição.
As duas razões:
  1. Já demonstrou amplamente que sabe por uma equipa a jogar bem.
  2. Já demonstrou que sabe potenciar jogadores.
A condição:
  1. Tem de haver alguém entre Jesus e presidente (não sei se é o Carraça, se é o Rui Costa ou se é outro qualquer) que lhe meta os travões. Que tome as decisões face ao que são as necessidades do plantel e que tome em mãos a tarefa árdua de dar a cara pelo Benfica. Jesus tem de se focar apenas e só na parte de treino. Guerras com outros agentes, bazófias e egos exacerbados são para outros intervenientes. 
Viva o Benfica!

2 comentários:

  1. Espera sentado, Danilo. Que o mestre da tatica aprenda com os erros !!!

    Ela

    ResponderEliminar
  2. patriarca disse:

    O Jorge Jesus não tem capacidade moral, para treinar o Benfica, tem-no feito ao longo destas três épocas e só ganhou na 1ª. Época porque com aquela Equipa quanquer "vitor paneleira" o ganhava, mas assim que os Craques que estavam na Equipa foram e bem para outras paragens viu-se logo o treinador que ele é. No bragaporco existem AJUDAS sempre que existe um desaire e a equipa não tem a dimensão Benfiquista.
    Mas quando AFIRMO a moralidade de poder ou não ser capaz de treinar o Benfica E GANHAR, cinjo-me ao facto deste mesmo Jorge Jesus, na época anterios, para não ir mais além, á sua vinda para o Benfica o que ELE DISSE deste mesmo Glorioso Clube que agora treina, está TUDO GRAVADO e portanto fácil de se ver e ouvir para quem tiver dúvidas ou por qualquer razão fazer que não sabe ou se esqueceu de coisas ÓBVIAS. No entanto NUNCA OUVI em tempo algum, embora esta época e depois de ter sido SEVERAMENTE ACHINCALHADO e o clube, pelos gajos que comandam a podridão do futebol cá do sitio OS PORCOS, suavemente lá disse algo que nem a um anjo caído do Céu por não ter unhas ofendia, mas a respeito do Benfica e nessa altura acima referida DEITAVA o Benfica ABAIXO e o Benfica para ELE era o CULPADO de tudo o que se estava a passar ou seja falava a VOZ ou pela VOZ dos do Sistema, mas agora como cá está CONTEVE-SE, mas a SUA Grande Paixão é treinar os andrades e só tenho pena de ele ainda cá estar e NÃO QUERER IR EMBORA, porque como ele é para o Benfica SÓ DE EMPURRÃO, porque com diálogo nada feito. Qualquer treinador de um Grande Clube que sucedesse o mesmo pediria a DEMISSÃO, mas ELE Nada disso, porque perder milhões e logo com o Benfica, nem pensar.
    Vamos ver o que o futuro próximo nos reserva, mas com o JJ vai ser DIFICIL.

    ResponderEliminar

Não serão admitidas faltas de respeito ou insultos nos comentários. Seja aos autores dos artigos, seja entre comentadores.
Pense bem antes de escrever.