origem

quinta-feira, 5 de julho de 2012

O Benfica sobre Rodas


Será que o Benfica poderia re-activar a sua secção de Ciclismo? E quando digo re-activar, refiro-me a criar uma equipa que possa a curto/médio prazo entrar nas grandes voltas. 

Consultando a nossa história, facilmente se conclui que uma das grandes razões para o crescimento Encarnado em Portugal, no século XX, foi ter uma secção de ciclismo a levar o nome do clube a todo o país. Claro que ter as primeiras equipas de futebol a bater o pé aos ingleses, ou as primeiras equipas de futebol a ter visibilidade europeia com titulos e prestigio também são grandes razões, assim como ser o clube do povo, tendo liberdade em tempo de ditadura. Mas o ciclismo sempre teve aquela aura de desporto de massas, cativante e inebriante. Ver os ciclistas a chegar a uma qualquer localidade em alta velocidade, com as camisolas encarnadas a flutuar ao vento, sempre foi um regozijo para a população, que assim podia ver os seus idolos sem ter de se deslocar quilometros atrás deles. Era, de certa forma, uma maneira do povo ter contacto com aqueles a quem a vida tinha dado uma oportunidade de vencer, de ser o exemplo.

Ora, tendo o Benfica tão grande tradição nesta modalidade em Portugal, não seria bom termos uma secção que nos levasse a todos os cantos de Portugal? E do Mundo? Com uma boa logistica por trás, penso até que seria possível ter uma loja móvel, que levasse os productos Benfica para onde quer que a secção de ciclismo fosse. E haverão certamente mais iniciativas que poderiam ser levadas a cabo. Ainda se lembram da alegria dos milhares de benfiquistas quando em 1999, vencemos a volta a Portugal pela última vez? Acho que nos seria muito benéfico voltar a ter esta modalidade, não só porque é uma das nossas modalidades fundadoras (Grupo Sport Benfica) mas porque é um dos maiores veiculos de transmissão de benfiquismo por esse país fora. E podemos também constatar que o Benfica faz falta a esta modalidade. Salvo algumas excepções, o pelotão português sem o Benfica é demasiado ignorado.

No passado fim de semana, estive presente no arranque do Tour 2012, na companhia de um amigo. Confesso a minha quase total ignorância em relação ao estado actual do ciclismo mundial. Quem são os craques, as equipas, enfim... Mas neste fim-de-semana, inteirei-me um pouco mais destes aspectos e comecei a pensar no prazer que seria ver uma camisola berrante em pleno Tour. Ao ver ciclistas como o Sérgio Paulinho ou o Rui Costa, pensei se não seria possível tê-los numa equipa portuguesa. Em relação ao Rui, recentemente vencedor da volta a Suiça (primeiro português a vencer uma prova do Pro Tour), posso dizer-vos que é um campeão. Tem tudo para vencer ao mais alto nível, e não me surpreenderia nada se o visse a lutar por uma das três grandes voltas num futuro próximo. A sua vitória foi completamente ignorada pela Comunicação Social portuguesa, mais preocupada com a vitória frente à Holanda, no Euro 2012. Caso a vitória tivesse sido obtida com a camisola de um clube português (a do Benfica claro!)  o destaque seria certamente maior.
A este propósito deixo em baixo uma foto que gentilmente me deixaram tirar durante o seu aquecimento para o prólogo. Sou o gajo com a camisola do Glorioso:)



Assim, tentei inteirar-me do que seria necessário para construir uma equipa do Pro Tour. 
1. Começando pelo orçamento, parece-me que o minimo dos minimos, para se poder aspirar a "ser" uma equipa do Pro Tour, cifra-se nos 5M€. Toda a logistica envolvida (desde estadias, a bicicletas e autocarros, passando pelo equipamento de apoio) tem o seu custo.
2. Um plantel de 23-25 ciclistas. Pode parecer um exagero, mas para ter uma equipa que possa disputar multiplas provas do calendário internacional é o número adequado.
3. Uma equipa de mecânicos com 10-15 pessoas capaz de suportar a equipa enquanto participa numa prova (ou mais se houver desdobramento).
4. Ter 2 ou 3 directores desportivos para quando houver mais que uma prova em simultâneo.

Todos estes componentes, fazem uma equipa de ciclismo. Mais haverão, que devido a não serem tão significativos, não são aqui mencionados (o facto de ser necessário alguém que "venda" a equipa a patrocinadores não é de desprezar).

Após este exercício, veio a questão. Como angariar fundos para ter esta equipa? À partida 5M€ (ou mais) não são trocos e na conjuntura actual (e num futuro próximo) não seria fácil angariá-los. Mas depois penso no despesismo e megalomania que grassa na gestão do nosso futebol profissional e vejo que na realidade, se fossemos melhor geridos neste aspecto, os 5M€ apareceriam "naturalmente". Se não vejamos:
- O Benfica teve receitas a rondar os 100M€ em 2011-2012. 
- O Benfica tem cerca de 70 jogadores profissionais sob contrato.
- O Benfica teve em 2011-2012 cerca de 18M€ em custos com financiamento (13M€ relativos a juros de empréstimos bancários).
- O Benfica contratou em 2011-2012 19 jogadores (alguns a "custo zero") gastando cerca de 25M€ nessas contratações.

Tendo em conta tudo o que está descrito em cima, parece-me perfeitamente razoável angariar uma grande parte dos 5M€ (senão mesmo a totalidade) a partir do próprio clube. Combinando isto com parcerias nacionais e internacionais (arranjando patrocinadores) e poderiamos num futuro próximo ter uma equipa competitiva. É óbvio que não estou a dizer que isto seria para o imediato, pois tenho plena consciência que ainda temos de mudar muitas coisas antes que seja possível a criação de uma equipa de ciclismo à Benfica. 
Mas bem ponderado, acho perfeitamente possível, que num prazo de 2-3 anos se consiga criar uma equipa destas. É preciso coragem, trabalho e devoção ao clube mas é possível.

Que sonho seria ver a camisola encarnada no pódio, numa dessas montanhas que vemos pela TV todos os anos. E pensando ainda na base de apoio que o Benfica tem por essa Europa fora, não é de todo descabido pensar que veríamos muita gente nas estradas em apoio ao Glorioso e aos seus atletas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Não serão admitidas faltas de respeito ou insultos nos comentários. Seja aos autores dos artigos, seja entre comentadores.
Pense bem antes de escrever.