origem

domingo, 29 de janeiro de 2012

O Líder foi à Feira

O Benfica venceu o Feirense em jogo da 17ª jornada por 2-1.

  • Sumário do jogo

O Feirense colocou-se em vantagem por Varela aos 49' na sequência de um canto, já depois de ter feito uns ameaços. O Benfica vendo-se a perder, lançou-se num ataque à baliza de Paulo Lopes e conseguiu chegar ao empate, 4 minutos depois, fruto de uma infelicidade de Varela, que cabeceou para a sua própria baliza.
Aos 72', Cardozo fez o seu 13º golo na prova, na marcação de uma grande penalidade a punir falta sobre Rodrigo. Mais 3 pontos, conquistados num jogo extremamente difícil, em que o Feirense jogou muito fechado e correu muito.

  • Descrição

O Benfica, não fez um bom jogo, longe disso. Ainda assim criou ocasiões de golo suficientes para chegar ao intervalo em vantagem, não fosse o desperdício de Rodrigo em 3 ocasiões. O Feirense nunca deixou de procurar o golo e aventurou-se amiúde no ataque, causando enumeros problemas à defesa encarnada, que hoje esteve particularmente descoordenada. O intervalo chegou após uma primeira parte algo apática e sonolenta. Nas poucas vezes que acelerou o jogo, o Benfica criou as suas oportunidades para marcar. Rodrigo desperdiçou todas. Merecia melhor o Hispano-Brasileiro. A segunda parte começou com o Feirense por cima do jogo e não demorou muito até a rede balançar. Varela deu o melhor seguimento a um canto bem marcado. Um minuto antes já havia sido dado o aviso, quando um jogador do Feirense introduziu a bola na baliza de Artur. Após se ver em desvantagem, como que por libertação enérgica da letargia de uma primeira parte jogada a passo, o Benfica começou a empurrar mais o Feirense para o seu último terço defensivo. Paulo Lopes foi mesmo chamado a fazer algumas intervenções de grande qualidade.
O golo do empate apareceu quatro minutos depois do de Varela e novamente com o central feirense em destaque, desta vez ao introduzir a bola na sua própria baliza depois de um desvio de Cardozo. Galvanizados pelo golo e já depois das entradas de Nolito e de Gaitan (o espanhol, justificou mesmo a chamada à titularidade no próximo jogo) os encarnados empurraram definitivamente o Feirense para a sua área e imediações. Numa das muitas jogadas que se foram sucedendo, Rodrigo captou a bola no interior da área e foi derrubado adivinhem por quem? Novamente Varela. Definitivamente foi o jogador em destaque neste jogo. Cardozo, chamado à marcação, rematou forte para o meio da baliza, onde Paulo Lopes já não estava tendo caído muito cedo para o seu lado direito. 
2-1 feito e hora de pausar o jogo. Até ao fim ainda houve oportunidades de parte a parte para marcar, sendo a mais flagrante, novamente desperdiçada por Rodrigo. No final os benfiquistas exultaram com a vitória. Sabemos todos muito bem da sua importância e do fulcral que era não perder pontos hoje.

  • Análise

O Benfica não jogou bem no Marcolino de Castro. Seja por uma razão ou outra, tentámos sempre jogar pelo flancos, quando se via claramente que as faixas do terreno estavam num estado lastimável. Aliás, todo o terreno estava uma bela porcaria, cheio de areia e com relva a soltar-se a cada movimento mais brusco dos jogadores. Definitivamente não é relvado de 1ª Liga. Em minha opinião teria sido mais vantajoso, entrar com Nolito e Bruno César nas faixas (esquerda e direita respectivamente) do que como entrámos. Bruno César à esquerda não disfarça a sua inadaptação à ala. Perdeu muitas bolas a tentar pautar o jogo, mastigando muito o mesmo. No lado direito Witsel não fazia melhor, tendo a certa altura fugido para terrenos mais interiores. Rodrigo, que aí caiu algumas vezes, também foi muito penalizado pelo estado do terreno, pois as suas recepções de bola eram sempre extraviadas para jogadores do Feirense.
Em suma, a equipa tentava jogar de pé para pé para progredir no terreno, mas o terreno impedia muitas vezes a progressão. Com as entradas de Nolito e Gaitan (e o desgaste dos adversários) melhorámos muito, pois o fluxo de jogo, passou a ser mais central (onde o terreno se encontrava melhor) fruto das diagonais de Nolito e Gaitan. Jesus acertou claramente nas substituições (aliás a exemplo do que tem feito ultimamente) e vencemos o jogo por aí.
Queixam-se muitos adversários de um golo anulado ao Feirense. Numa primeira análise fui tentado a concordar, mas vendo na repetição, parece-me claro que o jogador do Feirense comete jogo perigoso passivo (vulgo pé em riste) sobre Luisão. Decisão certa de um fiscal de linha. que errou em mais dois foras de jogo muito mal tirados ao ataque do Feirense. Existe um lance na primeira parte passível de grande penalidade a nosso favor mas dou o benefício da dúvida ao árbitro e ao assistente. A posição não era a mais favorável.
Inadmissível é a decisão de não expulsar Thiago, por falta sem bola sobre Maxi. Devia ter visto o segundo amarelo nesse lance.


Mais um jogo sofrido, mas ganho nesta caminhada rumo ao 33º. Tinha dito que era muito importante colocar pressão sobre o adversário e a nossa parte do trabalho está feita.
Amanhã espero que o Gil ajude (tal como o Javi disse) e que consolidemos o primeiro lugar.

Nota ainda para as bancadas e para os adeptos. É isto um estádio autorizado pela Liga? Foi para isto que os benfiquistas pagaram preços elevadíssimos para entrar no recinto? Em grande o grupo Diabos Vermelhos a fazer o protesto no topo de um edificio com vista para o campo de jogo. Enormes mesmo.
Assistência oficial de 3.622 espectadores, quando surgiram relatos de que a lotação estaria esgotada... Que tristeza.

Viva o Benfica!

1 comentário:

  1. Mais uma vitória importantíssima, mais um carimbo na nossa caminhada triunfal em direcção ao título. Quero também frisar que nunca vi um homem do jogo tão digno desse nome; esteve em todas, o gaiato!

    ResponderEliminar

Não serão admitidas faltas de respeito ou insultos nos comentários. Seja aos autores dos artigos, seja entre comentadores.
Pense bem antes de escrever.